Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Conversa de Homens

Existe um novo paradigma de masculinidade. O Homem Deixou de ser um parvalhão, passou a ser uma pessoa!

Existe um novo paradigma de masculinidade. O Homem Deixou de ser um parvalhão, passou a ser uma pessoa!

Quando o homem recusa fazer sexo com a companheira

Quando o homem não quer fazer sexo

 

Por norma, um homem nunca tem falta de apetite sexual e está sempre pronto para a prática de relações. Nada mais errado de se pensar e ainda mais difícil de concretizar.

 

Recordo o que escrevi na conversa Quando são elas que acordam a meio da noite com desejo: "Um homem está sempre pronto", dita a regra. Não é bem assim. Também temos de estar dispostos e há momentos em que precisamos de mais tempo para levantar voo (basta um dia mais complicado). E elas, como se sabe, nestas alturas, quando são elas a ter a inciativa, não gostam de esperar muito.

 

Este é mais um daqueles clichés que leva as mulheres a pensarem logo que o homem, se recusa sexo, tem uma amante. Não será sempre assim!

 

Os homens vivem no medo da impotência, de não conseguir acompanhar um momento mais ardente porque, ao contrário das mulheres (que com mais ou menos vontade, com mais ou menos lubrificação, conseguem cumprir) os homens precisam de alcançar, e manter, uma erecção.

O stress, um problema clínico ou até a simples falta de vontade (sim, os homens também podem não estar para aí voltados) são algumas das razões que podem provocar momentos de embaraço.

 

Deixo apenas o conselho para aqueles que sofrem disto por questões clínicas, consultem o médico e exponham o caso, sem problemas!

 

Estou a voltar a este tema para falar de outro tabu. Quando os homens, simplesmente, recusam praticar sexo com as companheiras. É tabu porque os homens dificilmente o admitem, porque os homens perderam o apetite pela mulher que têm ao seu lado e elas, sabendo, ou suspeitando disso, sentem vergonha de o admitir. O diálogo é quase impossível, por isso, sofrem sozinhas e deixam-se entrar numa roda de decadência.

 

Além disso, convém referir, a conversa também pode ser aplicada à recusa das mulheres em fazer sexo. Mas hoje, a falamos sobre os homens.

 

Alto, dirão algumas, eu, se não tenho em casa, procuro fora! Está longe da minha capacidade conseguir perceber na totalidade uma mulher que seja, quanto mais estar a par daquilo que cada uma faz!

 

No entanto, perante dois ou três casos conhecidos, e numa pesquisa rápida no Google, dá para perceber pelos comentários de algumas mulheres que quando o homem toma determinadas atitudes, recusando satisfazer a sua companheira, e se não está a sofrer nenhum caso clínico de impotência, é porque satisfaz as suas necessidades fora de casa e/ou já não tem qualquer apetite pela companheira.

Quando o homem perde o apetite sexual pela companheira, e não tem nenhum problema clínico, talvez seja o momento de conversar sobre a relação... o mesmo se aplica quando são as mulheres a recusar sexo!

Chegamos a esta altura da conversa e haverá já muitas cabeças a pensar nas situações das mulheres que envelheceram, engordaram, deixando os anos passar por elas de forma bruta. Sim, apesar do corpo descuidado ser, provavelmente, o catalizador para a maioria das situações, fiquem a saber que há mulheres que assentam naquilo que se definiu socialmente como elegância e sinal de beleza, mulheres que fazem voltar os olhares quando passam na rua, que sofrem do mesmo problema ao serem recusadas (ou traídas) pelos companheiros.

 

A falta de química será a justificação para esta ausência de apetites. Por muito que custe, quando isto sucede, e se o casal não consegue ultrapassar o problema (seja com recurso a fantasias ou após um acompanhamento profissional) pouco haverá a fazer.

 

Regra geral, as mulheres caem na insegurança de se sentirem feias, gordas, velhas, e fico por aqui nas descrições que já ouvi pela vida fora. Sim, porque este tema, ao contrário do que possam estar a pensar, atinge casais muito novos e não se limita aos que estão juntos há muitos anos!

 

Em parte, aquilo que escrevi há uns meses, e que muitos interpretaram como algo machista, "porque as mulheres não deviam estar em forma para agradar aos homens", não era mais do que um incentivo aos homens para ajudarem as companheiras a manter-se belas, em forma, saudáveis!

 

E, claro, é preciso relembrar que o conceito de beleza é algo muito próprio. A gordura em excesso deve evitar-se, logo de princípio, por questões de saúde. No entanto, há homens que gostam de mulheres mais "cheinhas"; os que apenas concebem ter uma relação com mulheres extremamente magras; com mamas pequenas; com mamas "grandes"; com rabo ao estilo Kardashian; sem rabo... enfim, haverá gostos para tudo!

 

O que cada um deve ter em conta é que ao longo da vida o corpo muda, tanto nas mulheres como nos homens, mas que são elas a sofrer mais, principalmente por causa da gravidez. E, por isso, é muito importante o homem participar nestes momentos, ajudar a mulher a manter-se em forma, incentivar!

 

Voltando ao tema que levou a escrever este texto, quando se passam meses sem que o homem satisfaça os desejos da mulher, talvez seja o momento de uma conversa mais séria. Se o diálogo for suficiente para ultrapassarem juntos a situação, fantástico. Se a conclusão é que o homem não se sente bem com a mulher que tem, saia de cena e abra espaço para que ela seja feliz. Não há uma forma delicada de dizer isto. (O conselho também vale para as mulheres).

 

Recentemente uma leitora questionou-me sobre este tema. Não tenho uma solução, apenas conselho enquanto homem que também já passou por situações semelhantes. Sim, há muito tempo, em miúdo. Quando chega o momento em que não temos vontade de estar com a namorada, está na hora de partir para outra e dar uma oportunidade à mulher de ser feliz.

 

Não sei se será um segredo assim tão grande mas o que sucede, muitas vezes, é que não tendo o homem uma substituta, lá no fundo sabe que a mulher vai conseguir mais rapidamente uma alternativa feliz. E isso é algo que para um homem é inconcebível! Notem, estou a constatar um facto, não a defender a atitude que, apesar de ser em menor escala, também ataca as mulheres.

 

Por isso, quando as coisas estão frias, e não há forma de aquecer, as mulheres devem evitar fechar-se no problema, achando que estão feias, gordas e velhas. Devem cuidar-se, mas acima de tudo, perceber se a relação tem futuro ou se é chegado o momento de a terminar.

 

Para quem ler isto, e se encaixar no lugar de quem recusa relações com o parceiro, saibam que o outro está a sofrer. Por isso, deixem de fugir ao tema e conversem abertamente sobre ele. Creio que vale a pena reforçar que a impotência pode revelar-se de muitas formas, sem o homem saber que está a passar por isto!

 

Uma relação não vive apenas de sexo, mas quando um dos elementos sente que está a ser recusado, talvez seja o momento de conversarem sobre "o tema"!

O cliché típico, conhecido a nível mundial, para descrever as desculpas das mulheres será a famosa dor de cabeça. Mas os homens, além da "desculpa" do cansaço, têm outras formas para evitar a relação sexual: ficar no sofá a ver televisão até a companheira estar a dormir; passar o tempo a jogar consola ou telemóvel; e deixo para os comentários outras desculpas que tenham sido apresentadas. Porque a partilha ajudará muitas mulheres a perceber que o problema não será delas, mas, descartado o problema clínico, de uma relação sem futuro!

 

Em todo o lado, quando se fala deste tema, ouvem-se depoimentos de mulheres a dizer que já "fizeram de tudo" para incentivar os parceiros: lingerie, posições, brinquedos! Acho que as relações devem ser "animadas" mas não defendo que as mulheres tenham de "fazer de tudo" para conseguir ter uma relação sexual com o companheiro. Se chegaram a este ponto, e voltando aos clichés, analizem, por exemplo, se andaram a queixar-se de "dores de cabeça" durante demasiado tempo e não terá sido isso a causar o desinteresse do parceiro.

 

No entanto, não se deixem cair no ridículo, evitem colocar-se em situações que contribuem para a quebra da auto-estima pois, uma vez lá, será mais difícil recuperar.

 

Todas as relações têm momentos bons e outros menos bons. E, acima de tudo, vale sempre a pena lutar pelo amor, mas apenas quando é correspondido. Forçar o contrário servirá apenas para uma relação de conflitos, tristeza constante e uma frustração sem limites.

 

Com já referi ao longo do texto, este é um problema que também pode ser visto pelo lado masculino. Mas qual o homem que admite os seus sentimentos quando é "recusado"? Voltaremos ao tema...

 

Acho que vale a pena terminar com uma nota de esperança, recordando os casais que envelheceram juntos e continuam apaixonados e a gostar de todas as rugas que cada um conquistou ao longo dos anos!

6 comentários

Comentar post