Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Conversa de Homens

Existe um novo paradigma de masculinidade. O Homem Deixou de ser um parvalhão, passou a ser uma pessoa!

Existe um novo paradigma de masculinidade. O Homem Deixou de ser um parvalhão, passou a ser uma pessoa!

Huawei P9, uma câmara fotográfica com telefone incorporado

p9.jpg

É desta forma que se pode descrever o telemóvel P9, da Huawei. A qualidade da imagem é excelente, tendo em conta que se trata de uma câmara de dimensões reduzidas, e chega para fazer pensar duas vezes quando saio de casa, se levo ou não a reflex.

 

Calma, não abdico da minha Canon, nem do conjunto de objetivas e todo o equipamento já adquirido e que obrigou recentemente a uma reorganização lá em casa, mas a experiência com este P9 é realmente acima da média. Mesmo em situações de pouca luz, como o Oceanário, a qualidade de imagem manteve-se a níveis de fazer inveja.

De todos os telefones que já testei, desde iphones aos samsung, este é, de longe, o que consegue as melhores fotos. 

IMG_20161015_130950-(1).jpg

Mas mesmo noutras situações de pouca luz o Huawei P9 teve um comportamento acima do esperado. Até com a câmara frontal, com 8 mpx, que fica um pouco abaixo da qualidade da dupla câmara com software Leica traseira (12 mpx e uma monocromática com 8 mpx), os resultados obtidos em ambientes de pouca luz estão muito acima da média.

 

IMG_20170601_211708.jpg

 

A foto seguinte foi captada num ambiente noturno, exterior, e com luz muito ténue que obriga a puxar pelo ISO. Mas, nem com aquele foco em contra-luz o P9 tremeu.

 

IMG_20170601_215735.jpg

 

E quando se fala em imagem, o vídeo também está incluído. A visita ao Oceanário foi feita para apresentar os tubarões à pequena. No pré-escolar, já realizam trabalhos e a professora pediu para levar material sobre tubarões. A minha filha, com três anos, imagine-se, ainda não sabe ler. Por isso, vai levar alguma coisa que perceba do que está a falar. Fotos e, como o pai até se safa com a coisa, um vídeo sobre tubarões.

 

Foi feito sem grandes rodeios ou ambições, tal como qualquer utilizador poderia fazer. Gravado com o P9 e editado com o Adobe Premier. Qualquer editor de vídeo serve mas tenho este e como tal, usei-o. O resultado é bastante aceitável tendo em conta que foi gravado em condições de luz bastante reduzidas como as que se verificam no Oceanário de Lisboa.

 

E, como estamos a conversar sobre características, este vídeo feito com o P9 preso com fita cola, mostra as capacidades da criação de um timelapse. Feito de forma rude para testar ao limite a forma como se comporta.

 

De todos os telefones que já testei, desde iphones aos samsung, este é, de longe, o que consegue as melhores fotos. E nem sequer precisamos de ir para as fotos captadas com a opção de grande abertura que permite manipular a profundidade de campo das fotos, mesmo depois de captadas.

 

 

A opção pro, que permite operar a câmara em modo manual, não é muito intuitivo e, obviamente, implica que se perceba de fotografia para manipular os resultados obtidos. Mas é uma funcionalidade que agrada a todos os que consideram que estão um patamar acima ao nível da fotografia.

 

Honestamente, são funcionalidades que poucos irão utilizar. Principalmente porque não permite a manipulação da abertura e os resultados não melhoram em relação às exposições automáticas.

 

Em termos de telefone, é rápido, tem boa capacidade de som e são raras as ocasiões em que as chamadas ficam com má qualidade. Até hoje, ainda não falhou. O sistema operativo Android, com o EMUI da Huawei, permite funcionar com este telemóvel de forma muito semelhante àquilo a que pessoas como eu, adeptos do Iphone desde a primeira versão, estão habituados.

 

Com este lançamento, e tendo em conta que a apple não conseguiu acompanhar em qualidade com este iphone 8 (e pelo que se vai sabendo do 10 também não convence, nem pelo preço), o iphone 4 (o último em que apostei) está em modo de standby, na gaveta. Vamos esperar para ver quais as inovações que a Apple irá trazer num próximo modelo.

 

Daquilo que tenho visto, e principalmente tendo em conta o preço, irei continuar à espera de uma nova revolução para voltar à marca da maçã.

 

Para já, a maioria das fotos que tenho feito, até porque tem a vantagem de conseguir de imediato partilhar com o  mundo determinado momento, têm sido captadas com o Huawei P9. Já testei o P10 e em breve irei publicar um texto sobre isso mas, apesar de ser um smartphone com características mais robustas, do ponto de vista prático, acrescenta pouco àquilo que é a qualidade do P9. A mudar, mais vale dar o salto para o patamar seguinte com o Mate 10 Pro.

 

Até o Honor 9, a marca que a Huawei possui para venda exclusiva digital, consegue uma boa performance. Junto à lente dupla não há referência à Leica, mas a qualidade das fotos é alta. Afinal, a experiência da construção conta para o produto final.

 

A marca chinesa já lançou o Mate 10 Pro, o topo de gama da Huawei, e, como referi, em breve irei publicar a experiência com este modelo. Mas é possível adiantar que traz melhorias ao nível  da fotografia e uma forte aposta na Inteligência Artificial. Inclui o processador Kirin 970 e qualidades com competência de bater a concorrência mais direta. Mais sobre o Mate 10 Pro, em breve.

 

PUBLICIDADE